segunda-feira, março 03, 2014

fugas

fugas temperadas






o avesso da prosa é a rosa
numa resma amorfa de papel marche

minha dor é um candelabro
tomado com um copo de lágrimas

uma flor doída vermelha
me abraça e me embala no pólen 

Paco ponteava o violão
a bailarina ponteava com os calcanhares

Havia uma rosa vermelha no jardim de Goethe
havia dois homens que se davam as mãos em um balanço!