domingo, janeiro 01, 2012

bisnaga amassada de catchup

tinha um tempo de arte










na claridade da noite quente
seguro pelo fio da faca silente
- pare a rima -
pois, o sangue escorre para cima
de minha liberdade
elástica
dou dois contos para escrever isto
na calamidade do improviso
no esguicho tonto do corte
de minha voz que assobia
constrangida a marcha negra
batida nas poeiras
dos pés que ditam
um aqui, um ali em som
seco, em batida surda
na lânguida preguiça
do ato fúnebre do não
ter o que dizer