terça-feira, março 23, 2010

gostos

de tempos atemporais






do que eu gosto mesmo é de escrever sobre o sentimento

do meu sentimento
do meu estado de espírito
do meu sofrimento
do gosto agreste em minha boca
da dor de cabeça nojenta
do ombro que vez ou outra me dói

da paixão que me entedia
do amor que me consome na ante-câmara da saudade
da saudade gosto de escrever mais ainda
saudade do que nem sei mais o que
saudade de minha infância triste
saudade de minha adolescência rebelde e crítica
saudade de quando não havia PREOCUPAÇÃO

e assim vou eu
em busca de um sentimento qualquer
que me faça voltar preste blog
fuçar a glaura em seu rosa,
meus bandidos políticos jornalísticos
meus escritores em fim de carreira
e deixar minha escrita momentânea
minha batida do coração crepuscular
pulsando ainda que morto

corro na biblioteca e acho o autógrafo que
Saramago me deu, e penso canalhamente no quanto
vai valer este livro daqui há alguns anos
terá morrido, não autografará mais.
O carnaval passou
e me deixou saudade de outros
carnavais.

Nenhum comentário: