domingo, fevereiro 17, 2008

parasódia

repetição do infinito




"hoje é sábado, amanhã é domingo..."
e a ladainha belíssima continua
e eu queria escrever alguma coisa
mas hoje nem é sábado e o domingo se foi
feio e bobo como todos

eu tenho no corpo o tom rouco
de Vinícius
não esqueço seus versos aí de cima

na chuva tinha uma árvore
e depois da chuva o sol brilhava
colorido, nos pingos
que dela caíam

derrepentemente o arco-iris
foi de ponta a ponta

Nenhum comentário: