quinta-feira, abril 05, 2007

mãos de Eurídice

do tempo de saudade




me falaram das mãos de Eurídice
e me lembrei d'alguma amizade
que muito cedo se foi
deslembrei-me do teclado
esboço linhas à mão
e tinta azul

as mãos de Eurídice, retintas,
tocavam na ferida ou no
dilacero
pensavam o amor da gente
que junto com a boca
sopravam encantos e ervas-de-são-joão
curavam as chagas, os roxos
calavam as dores dos amores

as mãos de Eurídice faziam as voltas
de meus suspiros
percorriam, estiradas, o horizonte
os olhos seguiam a procurar o
coração da moça

as mãos suas tinham o macio
do veludo do lírio
as mãos de Eurídice tinham a
tez da rosa
e seu justo perfume

3 comentários:

Madu disse...

Eurídice era também Rosa.
Com a rudeza terna de quem viveu as amarguras e delícias da vida.

Confligerante disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
cabelocacheado disse...

Homenagem carinhosa e mais que merecida ´para Eurídice. Sei o quanto participou da sua vida. Fico envaidecida em saber que você continua tendo por ela grande admiração. Ela vai fazer parte de você por muito tempo, com certeza, pois pessoas assim passam por nós e nunca se vão. Ficam.
Ana Lúcia